Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Já foste...

30.09.14publicado por Gato Pardo

Uma das coisas mais valiosas que aprendi em 13 anos de actividade profissional foi o seguinte...

Respeito.

Saber respeitar quem estava perante mim para ser respeitado enquanto pessoa e profissional. Ok, também aprendi a localização de inúmeros tascos mas isso agora não vem ao caso. Pormenores (muito saborosos, mas mesmo assim, apenas pormenores)...

Aprecio visitar pessoas com quem lidei durante anos a fio. Saber o nome de cada uma delas, dos filhos, dos cães, dos gatos e dos periquitos. Receber um sorriso só porque sim. Porque durante anos os respeitei primeiro como pessoas e depois, como profissionais da sua área. E esse respeito é mútuo. Alimenta-me a alma. É sinal que fui bom naquilo que fiz e serei sempre reconhecido por isso.

Agora vejo-me do outro lado da barricada. Tenho responsabilidades acrescidas, muito que fazer e pouco tempo para o fazer. Mas nunca abdiquei do respeito. Continuo a respeitar quem está do outro lado porque eu fui todos eles. Conheço as frustrações, os sentimentos e as fraquezas. Se calhar, até melhor que eles mesmos.

No entanto, ocasionalmente surge alguém que desconhece o conceito de respeito. O meu conceito de respeito é relativamente simples. A bem, sou um gajo porreiro. Exigente, mas quando esclarecido, sou um paz de alma. Tudo flui naturalmente. A mal, sou os quatro Cavaleiros do Apocalipse em 1,75cm de gajo com mau feitio.

Não gosto de pessoas de nariz empinado. Não sei, deve ser o Síndrome de Cleópatra, sei lá eu. Da mesma forma que algumas pessoas continuam a ter o estereotipo de que como vão falar com alguém responsável por assinar o documento que lhes proporciona parte do vencimento, essa pessoa tem de estar de fato e gravata e não vestido de forma casual. Portanto, a coisa correu mais ou menos assim...

 

- Eu tenho uma reunião agendada... - disse ela com ar de dona do mundo.

- Verdade. Vou-lhe pedir para aguardar um momento, se possível.

- Ah, mas eu tenho outra reunião para daqui a 15 minutos. É inaceitável marcar reuniões para uma hora e não cumprir.

- Bem, nesse caso há duas opções. Pode ligar para o cliente seguinte e avisar que está ligeiramente atrasada ou pode ir para o seu cliente seguinte e borrifar-se para o cliente onde está.

- Não foi isso que eu disse.

- Lamento, mas foi exactamente isso que disse. Apenas escolheu as palavras de uma forma mais sensata mas o conteúdo é basicamente o mesmo. E já agora, se a reunião está atrasada provavelmente é porque a reunião anterior atrasou ligeiramente.

- Isso chama-se má gestão de tempo.

- Concordo. Se eu não estivesse aqui a gastar o meu latim consigo, provavelmente estava a terminar a reunião anterior e a sua não estava atrasada. Mas visto que demonstra tanto desprimor e falta de chá pelo cliente onde está, sugiro que não perca mais tempo.

- Isto não fica assim. - dizia ela enquanto pegava na pasta.

- Concordo em absoluto. Quando ligar para o seu chefe a dar conhecimento do ocorrido, mande cumprimentos meus. E diga-lhe que ele me deve um almoço vai para quatro anos...

 

Ficou branca como a cal.

 

- Sim, eu conheço bem o seu chefe. Melhor que você, certamente. E tenho alguma curiosidade em saber se ele tem conhecimento da forma de agir de algumas colaboradoras. E acredite, conhecendo-o como o conheço, posso desde já garantir-lhe que não.

 

Profissionalmente, o respeito demora anos a construir, segundos a destruir e os danos impossíveis de redimir.

Há quem aprenda isso da pior forma.